PIB, IPCA, Selic: conheça os principais indicadores econômicos 

Entenda mais sobre PIB, IPCA, e Selic, indicadores econômicos obrigatórios para atuar assertivamente no mercado financeiro.
Indicadores Econômicos
Compartilhe:

Navegue pelos principais tópicos

Os indicadores econômicos são estatísticas que mostram a saúde e o desempenho de uma economia. Eles nos permitem medir diferentes aspectos como PIB, inflação, desemprego, manufatura e muito mais. Compreender os indicadores econômicos é crucial para governos, empresas, investidores e consumidores porque fornecem informações valiosas sobre o estado atual da economia e ajudam a prever o desempenho futuro. 

A principal razão pela qual os indicadores econômicos são tão importantes é que influenciam as principais decisões tomadas pelos decisores políticos, investidores e empresas. Por exemplo, o Federal Reserve analisa indicadores como o crescimento do PIB, a inflação e o desemprego para ajudar a determinar a política monetária. Se a economia parecer estar a abrandar, o Fed poderá baixar as taxas de juro para estimular mais empréstimos e investimentos. Por outro lado, se a economia parecer sobreaquecida com uma inflação elevada, o Fed poderá aumentar as taxas para arrefecer a situação. 

Para os investidores, os indicadores econômicos ajudam a determinar os melhores locais para colocar o seu dinheiro. O forte crescimento econômico pode sinalizar um bom mercado de ações, enquanto a inflação elevada pode prejudicar os preços. Para os consumidores comuns, os indicadores econômicos como a taxa de desemprego e a confiança do consumidor ajudam a prever o crescimento do rendimento e a capacidade de despesa. No geral, a monitorização dos principais indicadores econômicos fornece o conhecimento necessário para fazer escolhas financeiras mais informadas. 

PIB – Produto Interno Bruto 

O PIB, ou Produto Interno Bruto, é um dos indicadores econômicos mais importantes do Brasil e do mundo. Mede o valor total dos bens e serviços finais produzidos num país durante um período específico, geralmente um ano. 

O PIB é calculado somando os valores de mercado de todos os bens e serviços produzidos pela economia de um país. Isso inclui gastos do consumidor, investimento empresarial, gastos governamentais e exportações líquidas. A fórmula básica é: 

PIB = Gastos do Consumidor + Investimento Empresarial + Gastos do Governo + (Exportações – Importações) 

No Brasil, o PIB é medido em reais e calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ele fornece um retrato abrangente da saúde e do crescimento econômico do Brasil. 

Um PIB crescente ou elevado indica expansão econômica, enquanto um PIB decrescente ou baixo sinaliza contração econômica. O crescimento do PIB é um indicador-chave da melhoria dos padrões de vida e do progresso. Contudo, o PIB por si só não revela a distribuição de rendimentos, a qualidade de vida ou a sustentabilidade ambiental. No geral, acompanhar o PIB é vital para que formuladores de políticas, empresas e investidores tomem decisões e previsões informadas sobre a economia do Brasil. 

IPCA – Inflação

O IPCA é um dos indicadores econômicos mais importantes do Brasil. Significa Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que significa Índice Nacional de Preços ao Consumidor. 

O IPCA mede a variação dos preços de um conjunto de produtos e serviços vendidos no varejo e consumidos em todo o país. Ou seja, mostra as principais tendências da taxa de inflação nacional. 

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) é responsável por divulgar esse índice mensalmente. 

O IPCA é importante porque impacta diretamente nos preços que os consumidores pagam diariamente por bens e serviços. Um IPCA mais alto geralmente leva a preços mais elevados de alimentos, roupas, transporte, despesas médicas e muito mais. À medida que os preços sobem mais rapidamente do que os rendimentos, isso reduz o poder de compra do consumidor. 

O monitoramento do IPCA permite que formuladores de políticas, empresas e indivíduos compreendam as tendências da inflação e tomem decisões adequadas. Por exemplo, o Banco Central pode aumentar as taxas de juro para combater o aumento da inflação. As empresas podem ajustar os salários para acompanhar o aumento do custo de vida. No geral, o IPCA fornece informações importantes sobre a saúde da economia brasileira. 

Selic – Taxa de Juros

Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia e representa a taxa básica de juros do país. Tem uma grande influência sobre a inflação. 

A taxa Selic é definida por meio de reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Após discussões, é estabelecida uma nova taxa Selic. 

Quanto maior a taxa Selic, maiores serão as taxas de juros para empréstimos e financiamentos em todo o Brasil. Com o crédito mais caro, o consumo diminui e a inflação cai. 

Portanto, a taxa Selic impacta a inflação e a economia em geral. Quando a taxa Selic subir, a inflação deverá diminuir à medida que os empréstimos ficarem mais caros. Isto também retarda o crescimento econômico. Quando a taxa Selic cai, os empréstimos ficam mais baratos, o que pode estimular a economia, mas corre o risco de aumentar a inflação. 

O Copom ajusta regularmente a taxa Selic em resposta às condições econômicas, com o objetivo de manter a inflação sob controle. Acompanhar as mudanças na taxa Selic fornece informações sobre as perspectivas econômicas do Brasil. 

IGP-M – Índice de Preços

O IGP-M, ou Índice Geral de Preços do Mercado, é responsável por medir os movimentos e flutuações de preços nas diferentes atividades econômicas do país. Olhando o IGP-M é possível ver detalhes do nível de atividade econômica nas distintas etapas de todo o processo produtivo. Além disso, esse índice também é conhecido como “inflação de aluguel”, pois serve de base para reajuste dos valores de diversos contratos habitacionais. 

A importância do IGP-M para aluguéis é que muitos contratos de arrendamento e aluguel no Brasil usam o IGP-M como índice para calcular aumentos anuais de aluguel. Portanto, quanto maior o IGP-M, maior será a probabilidade de aumento dos aluguéis ano após ano. 

A Fundação Getúlio Vargas, órgão responsável pela divulgação desses números, divulga mensalmente em seu site o Índice Geral de Preços. Portanto, quem procura os dados mais recentes do IGP-M pode encontrá-los lá. 

Dólar – Taxa de Câmbio

A taxa de câmbio do dólar é um indicador econômico crucial a seguir se quiser fazer investimentos sólidos e compreender a economia global. Veja por que o dólar é importante: 

Impacto no comércio 

Sendo a moeda global mais dominante, as flutuações da taxa de câmbio do dólar têm impacto directo nas importações e exportações dos países. Um dólar mais fraco torna as exportações americanas mais acessíveis aos compradores estrangeiros. Isto impulsiona as indústrias de exportação nos EUA. Entretanto, as importações para os EUA tornam-se mais caras, o que beneficia os produtores nacionais que competem com as importações estrangeiras. 

O oposto ocorre quando o dólar se fortalece – as exportações americanas tornam-se mais caras, levando à diminuição das receitas de exportação, enquanto as importações tornam-se mais baratas, o que prejudica as indústrias nacionais concorrentes às importações. 

Impacto nos investimentos 

A taxa de câmbio do dólar também influencia muito as decisões e oportunidades de investimento. Um dólar mais fraco normalmente leva a preços mais elevados das ações, pois torna as empresas americanas mais competitivas a nível global. As empresas multinacionais também beneficiam de um dólar mais fraco, uma vez que os seus lucros no estrangeiro valem mais quando convertidos em dólares. 

Entretanto, um dólar mais forte torna os investimentos estrangeiros mais atraentes para os investidores americanos. À medida que o dólar se valoriza em relação a outras moedas, os investidores podem obter mais retorno do seu investimento no exterior. No entanto, isso leva à diminuição do investimento estrangeiro nos EUA.

Em resumo, a monitorização da taxa de câmbio do dólar fornece informações importantes sobre a competitividade comercial, as tendências de investimento e os fluxos globais de capitais. Quer você esteja investindo no país ou no exterior, compreender os impactos de um dólar fraco versus um dólar forte é vital para uma tomada de decisão inteligente. 

Taxa CDI 

A sigla “CDI” é utilizada para se referir ao Certificado de Depósito Interbancário. Esse indicador econômico serve para observar as taxas de juros de empréstimos que ocorrem entre os bancos. 

O Banco Central determinou que todos os bancos devem terminar o dia com saldo positivo, garantindo assim que o sistema financeiro esteja saudável e mantenha essa forma. 

O imposto CDI também é usado como base para calcular o rendimento de investimentos de renda fixa, como o CDB, um tipo de empréstimo para bancos acrescido de juros. Ou seja, é uma renda fixa e de baixo risco. 

Preços ao Consumidor – INPC 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) é um indicador econômico utilizado para observar as principais tendências da inflação no país. 

Porém, é importante saber que esse indicador é baseado na variação de preços de produtos consumidos por famílias brasileiras com renda entre 1 e 5 salários mínimos. 

A diferença entre o INPC e o IPCA é que o INPC concentra-se especificamente nas famílias de baixa e média renda, enquanto o IPCA mede a inflação de forma mais ampla em todos os níveis de renda. 

O INPC ajuda a analisar especificamente os impactos da inflação nas famílias mais pobres. Como as famílias de baixa renda gastam uma parcela maior de sua renda em necessidades básicas, como alimentação e moradia, o INPC pode apresentar uma inflação mais elevada do que o IPCA em períodos em que esses preços estão subindo rapidamente. 

Assim como acontece com outros indicadores, os dados do INPC estão disponíveis no site do IBGE. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula e divulga mensalmente o INPC. 

Taxa Referencial – TR 

A Taxa Referencial, ou TR, é utilizada como referência para a realização de investimentos e até financiamentos. Assim, atualmente, a TR serve como indicador de atualização monetária de determinadas aplicações financeiras e operações de crédito. 

Nesse sentido, a poupança é o principal fator afetado pela Taxa Referencial desde 2012. Portanto, a caderneta rende de acordo com a variação deste indicador econômico. FGTS, Títulos de Capitalização e financiamentos imobiliários também são afetados pela TR. 

Então se você quiser ajustar os valores ao longo do tempo, você precisa ter a Taxa Referencial como principal base do índice de inflação. 

Na hora de investir, use os indicadores econômicos ao seu favor!

O mundo das finanças possui diversos indicadores econômicos que podem te ajudar a tomar a decisão certa na hora de fazer seus investimentos, financiamentos e até na vida pessoal. 

Os principais indicadores que cobrimos foram: 

  • PIB (PIB) – mede a produção econômica total de um país 
  • Inflação (IPCA) – mede a taxa de subida dos preços em toda a economia 
  • Taxas de juros (Selic) – taxa referencial do banco central, afeta os custos dos empréstimos 
  • Índice de preços (IGP-M) – acompanha a inflação nos custos de matérias-primas e produção 
  • Taxa de câmbio (dólar) – o valor da moeda local em relação às moedas estrangeiras 
  • Taxa Interbancária (CDI) – taxas de juros que os bancos cobram entre si 
  • Preços ao consumidor (INPC) – inflação baseada nos gastos das famílias de baixa/média renda 
  • Taxa Referencial (TR) – benchmark para atualização de ativos financeiros 

Para usar esses indicadores ao investir: 

  • Monitorizar o crescimento do PIB – o aumento do PIB sugere uma economia saudável e em crescimento;
  • Observe a inflação – a inflação elevada corrói os retornos do investimento; 
  • Siga as taxas de juros – o aumento das taxas aumenta os retornos, mas pode desacelerar o crescimento; 
  • Verifique as taxas de câmbio – uma moeda local fraca estimula os exportadores, mas aumenta os custos de importação;
  • Observe as taxas interbancárias – a queda das taxas incentiva os empréstimos e investimentos empresariais.

Ao analisar estes indicadores-chave, poderá tomar decisões informadas e investir com sucesso dentro das condições económicas prevalecentes. Além disso, conte sempre com o apoio da assessoria de investimentos da VOGA para tomar melhores decisões com o seu patrimônio.

Conteúdos recomendados

TUDO SOBRE INVESTIMENTOS

Invista em conhecimento

As últimas notícias sobre o que movimentou o mercado e a economia, e análises exclusivas de especialistas.

Confira nossa seleção de colunistas responsáveis por produzir artigos sobre investimentos, atualidades econômicas, análises especializadas e dicas para suas finanças pessoais!
Abra sua conta e tenha acesso a melhor assessoria financeira do Centro-Oeste

Preencha para realizar o seu cadastro inicial com a Voga

Seus dados
Como podemos te ajudar?
Invista em conhecimento
As últimas notícias sobre o que movimentou o mercado e a economia, e análises exclusivas de especialistas.
Homem branco apontando na tela um gráfico crescente com uma seta, demonstração dos resultados de quem acompanha nossa newsletter.

Cadastro efetuado com sucesso para receber a nossa Newsletter!

Cadastro Voga efetuado!

Você agora faz parte da nossa rede de credenciados para receber as nossas comunicações, oportunidades, notícias e ofertas.

Escolha como deseja seguir